Mergulhando no oceano azul

Mergulhando no oceano azul

Como um marinheiro devoto, nunca pensei que escreveria ou poderia ser levado a escrever um artigo como este, mas bastou uma aventura em Barbados para fazê-lo.

Tendo nascido e crescido em Oklahoma City, Oklahoma, senti uma inclinação natural para a ideia de que esportes de aventura aquáticos, especialmente aqueles praticados no oceano, não eram a coisa para mim. Chame-me de galinha ou simplesmente velho chato e chato, mas o pensamento de manter os dois pés plantados firmemente em 'terra firme' era o equivalente filosófico de “mais perto de meu Deus de ti”. Essa era a extensão da minha zona de conforto, e eu não pretendia sair de lá antes de passar férias em Barbados.

Não sei bem o que há nessa ilha, há algo mágico na areia prateada e na espuma branca das ondas quebrando suavemente que acariciam os dedos dos pés enquanto você caminha pelas praias. Há algo de atraente no ar incrivelmente fresco que faz cócegas nas narinas, enche os pulmões e energiza o corpo.

Depois, há o maravilhoso e penetrante sol que transforma o oceano em uma gigantesca piscina infinita translúcida. Jamais saberei se foi uma dessas coisas, uma combinação delas ou todas juntas, somada ao charme irresistível das gentes que povoam a ilha.

Fosse o que fosse, eles me fizeram baixar a guarda, jogar a cautela para o alto e fazer o que pensei que nunca faria ou faria.

E então, uma manhã, depois de dar um passeio ao longo da praia em frente ao meu hotel, voltei para sentar ao lado da piscina e saborear um ponche de frutas incrivelmente refrescante. Enquanto fazia isso, observei algumas pessoas na piscina do hotel sendo treinadas para mergulho. Eu estava um pouco cético no início, mas os caras que faziam o coaching pareciam bastante profissionais e bem informados e tornavam todo o processo de instrução extremamente interessante. Com o tempo, minha curiosidade me dominou e, antes que percebesse, estava sentado à beira da água e, sem ter tido qualquer compromisso prévio ou pago qualquer taxa, fui recebido na conversa e convidado a participar.


Eu acho que o calor, a natureza casual dos instrutores que estavam dispostos a me incluir (aparentemente sem se importar com seus interesses financeiros). Eles estavam dispostos a aceitar minha promessa de que eu iria cumprir minha intromissão e educação, dando uma aula suplementar formal e primeiro mergulho no dia seguinte, tudo servindo para me convencer de que talvez valesse a pena tentar. E assim, naquela noite eu li as notas informativas que eles me deram e dormi com pensamentos de máscaras, reguladores, o-rings, medidores de profundidade e compensação de flutuabilidade em minha mente.

Nosso mergulho no dia seguinte não foi uma aventura extrema, mas sim simples, em 30 pés de água da Baía de Carlisle, uma praia prateada em forma de meia lua com 2 km de extensão e águas tão calmas que me lembraram um grande lago. Meus instrutores me levaram para baixo junto com os três outros que haviam treinado conosco no dia anterior, nos ajoelhamos em círculo no fundo do oceano e eu aproveitei minha primeira oportunidade de ver a vida subaquática. A baía estava incrivelmente limpa e calma, e eu podia ver uma eternidade à distância.


Um desses instrutores enfiou a mão no colete de mergulho e tirou um pedaço de pão e, enquanto o esfregava entre o polegar e o indicador, de repente vi o menor dos peixinhos começar a aparecer. Alguns eram de uma única cor, alguns eram multicoloridos e alguns pareciam ser de todas as cores do arco-íris. Nenhum deles era mais comprido do que meu dedo indicador, mas parecia, aos milhares. Eles foram extremamente gentis e foram atraídos pelos pedaços de pão que agora flutuavam lentamente no fundo do oceano. O instrutor entregou a cada um de nós nossa própria fatia de pão e, conforme nos ajoelhamos juntos em um círculo, cada um de nós esmigalhou seu pedaço. E quanto mais pão esfarelávamos, mais os peixes emergiam, cardumes multicoloridos que mordiscavam a ponta dos dedos com bocas minúsculas. Eram tantos que a certa altura foi impossível distinguir a pessoa do círculo ajoelhada ao seu lado, todas as cores do arco-íris estavam à mostra em nosso majestoso aquário oceânico pessoal. A luz solar penetrante ricocheteou e dançou contra suas escamas e foi, sem dúvida, a experiência mais linda que já tive.


A simplicidade da natureza e a beleza do oceano inundaram-me naquele dia e, enquanto eu viver, sempre me lembrarei daquele dia em Barbados quando, o que pensei que nunca faria, tornou-se o que me arrependi de não ter feito antes.

Explore as histórias da ilha

Experimente Barbados do seu jeito! Passeios luxuosos pela ilha, aventuras ecológicas, fins de semana gastronômicos, descobertas históricas, compromissos artísticos, empreendimentos oceânicos e “spa-cations” podem ser encontrados nas categorias abaixo. Por onde você vai começar?